ZELO

O Deus de Israel é um Deus único e ciumento (Ex 3,14; 20,3-6; 34,14; Dt 32,16s; Js 24,19-24). É um fogo devorador (Dt 4,24; Is 33,14; Sf 1,18).

Os profetas são homens devorados pelo zelo de Deus (Nm 25,11; 1Rs 19,14; Eclo 48,2; Sl 69,10). O mesmo zelo ardia no coração de Cristo (Mt 21, 12s).

O reino de Deus não suporta a tibieza (Ap 3,19; Mt 11,12; Tt 2,14). Este zelo exprime-se na oração e no culto (Nm 14,13-19; Ez 20,9-14; 36,21-23; Jo 14,21; Mt 6,9-13; Lc 11,2-4).

Paulo estava cheio de zelo pela conversão dos hebreus e dos pagãos (Rm 9,3; 10,19; 11,11-14).

Existe um falso zelo: o daqueles que querem sobrepor a justiça da Lei à liberdade cristã (Mt 23,15; At 21,20; Rm 10,2; At 5,17; 13,45; 17,5): o de Paulo antes da conversão (At 22,3; Fl 3,6; Gl 1,13); o dos zelotes (At 5,35-39; 23,12-15).

O zelo cristão não é áspero, é animado pela caridade e paciência (Tg 3,14-18; Lc 9,51-56; Mt 13,24-30.36-43).

Livros recomendados

Visite a livraria

image

Do Comunismo

image

Sócrates Encontra Marx

image

A Grande Mentira – Lula e o Patrimonialismo Petista

image

Sete Mentiras Sobre a Igreja Católica